Quem Somos

Além de Salém, ‘Quem Somos’.

O projeto ‘Além de Salém’

Além de Salém é um projeto antigo, que visa levar ao leitores a magia natural em sua essência, transmitindo ensinamentos baseados em 14 anos de estudos, pesquisas e prática dentro do paganismo e espiritualidade.

Quem somos?

Uma equipe de três pessoas comuns e cotidianas, que decidiram viver uma vida extraordinariamente mágica a partir do chamado da Magia.
Nossa meta é transmitir o conhecimento da Bruxaria, rompendo barreiras e quebrando preconceitos, trazendo mais felicidade e amor a vida das pessoas.

Em nosso Blog será possível conferir as mais diversas informações sobre tudo que envolve Magia, Bruxaria, Paganismo e Espiritualidade.

Já em nossa loja virtual, o cliente poderá encontrar opções de produtos feitos por artesãos pagãos, confeccionados a partir do conhecimento da antiga arte.

‘Além de Salém’ o nome

O primeiro motivo remete à cidade de Salém*,  onde em Março de 1692 ocorreu uma das maiores atrocidades com o povo pagão.

E o segundo, se dá a partir da nossa filosofia ir ‘além’ da Magia praticada atualmente. Somos espiritualistas e adeptos da Bruxaria Natural onde novos conceitos são agregados afim de proporcionar um conhecimento mais amplo para a evolução constante do ‘ser’.

*Você conhece a história de Salém?

O vilarejo que ficou mundialmente conhecido pelo triste episódio de intolerância e fanatismo, vitimou 20 pessoas.

Ao Norte de Boston, na colônia Massachusetts Bay, a pequena comunidade sofreu um surto de doenças consideradas misteriosas, e atribuíram a ‘ataques de bruxaria’.

A denúncia partiu de duas crianças, Elizabeth Parris de nove anos e Abigail Williams de 11 anos que procuraram os reverendo Samuel Parris.

Encorajados, os adultos do vilarejo se juntaram as duas meninas e acusaram mais de 150 pessoas da comunidade.

Entre os acusados haviam homens, mulheres e uma crianças de apenas 4 anos.

Em junho daquele ano uma corte especial foi designada para julgar os acusados sob a presidência do juiz William Stoughton.

A primeira julgada e sentenciada foi  Bridget Bishop, considerada culpada foi executada no dia 10 de junho em uma forca.

As sentenças vieram uma após a outra, e as mortes foram cruéis, incluindo esmagamento por pedras.

Os julgamentos findaram em outubro de 1962, quando o então governador de Massachusetts ordenou que as Cortes fossem desfeitas.

Como medida a nova Corte Superior proibiu qualquer acusação baseada em informações sensacionalistas.

Os demais acusados que não haviam sido julgados até aquele momento foram libertados.