New Grange o patrimônio da humanidade na Irlanda

New Grange é um túmulo localizado no vale de Boyne, antigo leste da Irlanda, que possui mais de 5.200 anos, o que o torna mais antigo que Stonehenge e as Grandes Pirâmides de Gizé.  Este lugar fantástico é patrimônio da humanidade, e sua engenharia arquitetônica, impressiona até os mais experientes arqueólogos, por tamanha complexidade e perfeição.

O mais interessante nessa história é que a magia que envolve o local é presente até os dias atuais,o que torna Newgrange, uma atração para o público pagão do mundo inteiro.

New Grange o patrimônio da humanidade na Irlanda

New Grange o patrimônio da humanidade na Irlanda

Publicidade

Esta foi uma das nossas paradas na Irlanda, e nos trouxe muita alegria conhecer um pouco da sua história para poder compartilhar com nossos leitores que tanto apreciam a cultura Celta.

Pedra principal da entrada do Templo com simbologia Celta

Grandiosidade e importância cultural de New Grange

New Grange foi construído por agricultores da Idade da Pedra, o monte tem 85 metros de diâmetro e 13,5 metros de altura, em uma área com cerca de 1 hectare.

Algo muito interessante e místico, é que lá existe uma passagem de 19 metros que leva a uma câmara com 3 alcovas. A passagem e a câmara estão alinhadas com o sol nascente no solstício de inverno.

Pedras que contornam o templo New Grange

O templo é cercado por 97 grandes pedras chamadas pedras calcárias, algumas das quais estão gravadas com arte megalítica; o mais impressionante é a pedra de entrada. O monumento é considerado a joia da coroa do antigo Oriente da Irlanda.

O acesso ao monumento Newgrange é através do Centro de Visitantes Brú na Bóinne.

A comunidade agrícola que o construiu, prosperou nas terras ricas do vale de Boyne. Knowth e Dowth (são montes semelhantes que, juntamente com Newgrange, foram designados como Patrimônio Mundial pela UNESCO).

Templo New Grange

Muito mais que um monumento arquitetônico

Arqueólogos classificaram New Grange como um túmulo de passagem, no entanto, New Grange é agora reconhecido como muito mais do que um túmulo de passagem. O Templo Antigo é uma classificação mais adequada, um lugar de importância astrológica, espiritual, religiosa e cerimonial.

O monte cobre uma área de um pouco mais de 1 acre, retido na base por 97 lápides, algumas das quais são ricamente decoradas com arte megalítica. A passagem interna de 19 metros de comprimento leva a uma câmara cruciforme com um telhado corbelado. A quantidade de tempo e mão de obra investida na construção de New Grange sugere uma sociedade bem organizada, com grupos especializados responsáveis ​​por diferentes aspectos da construção.

New Grange faz parte de um complexo de monumentos construídos ao longo de uma curva do rio Boyne conhecido coletivamente como Brú na Bóinne. Os outros dois principais monumentos são Knowth (o maior) e Dowth, mas em toda a área existem até 35 pequenos montes.

New Grange o patrimônio da humanidade na Irlanda

Solstício de inverno

O templo é contemplado especialmente pela iluminação de sua passagem e câmara pelo sol do solstício de inverno. Acima da entrada da passagem em New Grange há uma abertura chamada caixa de teto. Este orifício desconcertante foi uma grande surpresa para aqueles que o descobriram. Sua finalidade é permitir que a luz solar penetre na câmara nos dias mais curtos do ano, por volta do dia 21 de dezembro, o solstício de inverno. Na madrugada, de 19 a 23 de dezembro, um estreito feixe de luz penetra na caixa-teto e alcança o piso da câmara, estendendo-se gradualmente até a parte traseira da câmara.

À medida que o sol se eleva, o raio se alarga dentro da câmara, de modo que toda a sala se torna dramaticamente iluminada. Este evento dura 17 minutos, começando por volta das 9h. A precisão de New Grange como um dispositivo de contagem de tempo é notável quando se considera que ele foi construído 500 anos antes das Grandes Pirâmides e mais de 1.000 anos antes de Stonehenge.

A intenção dos agricultores do período neolítico que construíram New Grange foi, sem dúvida, para marcar o início do novo ano. Além disso, pode ter servido como um poderoso símbolo da vitória da vida sobre a morte.

Todos os anos, o evento do solstício de inverno atrai muita atenção em New Grange. Muitos se reúnem no antigo túmulo para esperar o amanhecer, como as pessoas faziam 5.000 anos atrás. Tão grande é a demanda para ser um dos poucos dentro da câmara durante o solstício que há uma loteria anual gratuita. Infelizmente, como acontece com muitos eventos irlandeses que dependem da luz do sol, se o céu está nublado, não há muito a ser visto. No entanto, todos concordam que é um sentimento extraordinário esperar na escuridão, como as pessoas fizeram há muito tempo, para que a noite mais longa do ano termine.

Em torno do Templo New Grange

O círculo de pedras de New Grange os Celtas e sua história

Um círculo de 12 menires (pedras verticais) rodeia New Grange. Originalmente, pode ter havido mais, mas se assim for, eles foram removidos há muito tempo. Após a escavação do woodhenge, tornou-se aparente que o círculo de pedra foi erguido em algum momento após 2000 a.C. O objetivo do círculo de pedras não é claro, mas pesquisas indicam que ele poderia ter tido uma função astronômica.

Com a vinda dos celtas, New Grange foi transformado em uma casa para suas divindades. Brú na Bóinne é destaque em muitos dos grandes mitos celtas. Como morada das divindades, foi reverenciada até mesmo por visitantes da Grã-Bretanha romana, por volta de 400 d.C. As suas oferendas votivas de moedas e joias foram recuperadas do topo do monte durante as escavações.

New Grange o patrimônio da humanidade na Irlanda

Após o estabelecimento dos Cistercienses na Abadia de Mellifont, em 1142, a terra ao redor do monumento foi adquirida pela Ordem. Tornou-se uma nova granja (fazenda periférica) da abadia, dando assim ao túmulo da passagem e ao povoado vizinho seu nome moderno.

Depois de 1699, quando a câmara foi aberta, New Grange tornou-se um lugar de interesse para os antiquários. Mas foi a partir de 1962, no entanto, que a primeira grande escavação do local começou. Após a escavação, a passagem interior foi fechada por uma segunda passagem (agora invisível), a fim de aliviar a pressão do peso do monte. A fachada original do quartzo branco cintilante foi reconstruída usando pedras encontradas no local. A altura e o ângulo da fachada correspondem ao original e foram calculados por medições feitas a partir do muro de contenção colapsado.

New Grange o patrimônio da humanidade na Irlanda

Símbolos gravados nas pedras

A obra de arte dos construtores de túmulos de passagem despertou interesse desde que os monumentos foram descobertos pela primeira vez. Os motivos da arte da passagem-tumba são espirais, losangos, vírgulas, triângulos e arranjos de linhas paralelas ou arcos.

Muitas das pedras exibem um sentido dramático de composição, os desenhos profundamente esculpidos e relacionados com a forma natural das rochas. A pedra de entrada é considerada como uma das melhores realizações da arte neolítica europeia.

Em New Grange e Knowth, a arte em muitas das pedras continua além da área visível. Durante as escavações, verificou-se que muitas pedras foram esculpidas em suas partes inferiores e nas laterais que são viradas para dentro em direção aos montes de pedras. O que quer que a arte significasse para os construtores desses monumentos enigmáticos, talvez não fosse necessariamente destinado a ser visto pelos vivos. Também é possível que os construtores tenham reutilizado pedras que faziam parte de monumentos anteriores.

Sua interpretação não é precisa e ainda é considerada um grande mistério

Muitas tentativas foram feitas para interpretar a arte da tumba de passagem. Há quem diga que a arte parece uma série de mapas da área, mapas das estrelas ou mapas do outro mundo. Alguns veem a arte como um dispositivo de meditação ou argumentam que ela representa imagens induzidas por alucinógenos. Outros argumentam que é música. A teoria mais popular é que as formas representam as estações em mudança, a preocupação dos construtores da tumba de passagem com o tempo e com a marcação de grandes eventos solares como os solstícios e os equinócios. Talvez a natureza mutante e cíclica das estações estivesse ligada às mentes das pessoas com suas próprias vidas. Talvez, a partir de suas observações do mundo natural, eles esperassem que, assim como o inverno foi seguido pela primavera, a nova vida seguisse a morte.

Arredores do Templo New Grange

Nossa experiência em New Grange

Este foi sem dúvida alguma um dos templos mais interessantes que conhecemos na Irlanda. A paisagem ao redor é estonteante, cercado de colinas, rios e muito verde. Dentro do templo é possível sentir a concentração de energia daquele local, voltando no tempo numa fração de segundos, contemplando algo impossível de se traduzir com palavras.

Andando um pouco, é possível adentrar numa floresta de mata nativa, lá encontra-se uma grande concentração de corvos. Foi maravilhoso ficar por alguns minutos escutando seu canto e movimentação entre as árvores, confiram no vídeo abaixo:

No solo foi possível encontrar algumas de suas penas pretas brilhantes, e não resisti em coletar algumas para adornar alguns dos nossos trabalhos manuais em Além de Salém.

Penas de corvos de New Grange

Considerações finais

Este é um lugar imprescindível para o viajante pagão que busca conhecer história e cultura celta, bem como se conectar com uma energia poderosa e presente em cada pedacinho daquele solo.

É possível partir de Dublin para estes tours no interior da Irlanda, pois existem uma série de empresas que oferecem este serviço. Contudo optamos por contratar um serviço particular de um brasileiro que oferecia esta viagem num grupo de brasileiros através do Facebook. Esta foi a forma que encontramos para fazer os nossos próprios horários e poder contemplar com mais tranquilidade este pedacinho sagrado.

Bençãos e Luz ^-^